22 novembro, 2007

Relâmpagos de tesão

Era mais um Domingo igual a tantos outros não fosse este estar tão cinzento e chuvoso, um verdadeiro dia de Inverno tempestuoso, o frio aliava-se ao resto fazendo todo aquele conjunto meteorológico um convite a permanecer em casa, de preferência num local quentinho.
Foi depois de um delicioso almoço que me fui estender para o quarto, doía-me o corpo e nada melhor do que a suavidade da cama para relaxar, a Karyna tinha ficado a arrumar a cozinha e eu aproveitei para me por a vontade e acabei por ficar apenas com uma t-shirt vestida e entrei no vale dos lençóis. Ela não tardou a chegar, deitou-se também a meu lado, confessou-me também ela estar cansada e exausta, merecíamos ambos algum descanso, adormecemos a ver TV, os dois abraçados ao som de uma incrível chuvada que se abatia no momento.
Senti uma loucura a percorrer-me o corpo, uma vontade a apoderar-se de mim, um desejo profundo de querer algo, algo estava a acontecer na minha imaginação ou seria na realidade? Constatei que era mesmo real o que estava a acontecer, levantei o cobertor e descobri a boca dela completa com o volume do meu sexo tesudo. "Estás a gostar, tarado? Queres mais?" Nem tempo tive para responder, voltou a abocanhá-lo e envolveu-me numa deliciosa mamada, que jamais esquecerei, todo aquele jeito suave e empolgante como tudo aconteceu.
Estava tão concentrado no prazer que toda aquela envolvência me provocava que nem dei conta que ela já estava a preparar-se para me montar, estava ensonado e não queria de todo acordar daquilo que para mim parecia mais que uma simples realidade, tudo aquilo era mágico, tudo aquilo era um sonho perfeito. Continuava a chover e a trovejar, como é bom vê-la por breves momentos a cavalgar em cima de mim por entre clarões provocados pelos relâmpagos, dava mais vivacidade ao acto e para nós nada do que estava a acontecer lá fora nos interessava ou tão pouco nos incomodava, apenas queríamos aproveitar o momento.
Na calmaria momentânea do tempo, sentei-me numa cadeira, em frente a janela, a vê-la mexer na sua fofinha muito molhada quase como o tempo lá fora. Comecei-me a tocar e ela a olhar, não resistiu, sentou-se em cima de mim e subiu-me ao mastro com uma determinação imparável, estava insaciável e eu a adorar aquele maravilhoso momento de prazer a dois. Dava-lhe palmadas no rabo gosto de ouvir gemer de prazer e quanto mais lhe dava, mais depressa ela mexia o rabo e podia sentir toda aquela vulva tocar-me na pele, enriquecendo ainda mais o meu corpo de tesão e preparava-me já para vir, aguentei, queria experimentar algo novo e diferente, saber como era a reacção dela ao que me preparava para fazer.
Mergulhei a minha cabeça por entre o meio das suas pernas a tremer de prazer e lambi, chupei, suguei, ingeri e saboreie um sexo a arder de loucura mas ela pedia mais quanto mais o desejo lhe aumentava, meti-lhe dois dedos lá dentro num movimento enérgico e de novo ao som de muita chuva e trovoadas, aconteceu! Gemeu, gritou, repetiu vezes sem conta "hmmm mas que bom, mas que bom..." e no fim elogiou a maneira como lhe tinha provocado o orgasmo com a minha língua. É bom ter alguém como tu a meu lado, Amo-te!

E tu? já vives-te um momento igual ou parecido?

Johnny © 2007

5 comentários:

camas e algemas disse...

Parecido... as chuvadas são sempre inspiradoras... bjs

Marrie disse...

Diria q em 17 anos juntos.... alguns! rs
Muitos revelados nos meus "segredos".
bjs chuvosos

Ju ♥ disse...

E que venham mais dias chuvosos...
Adorei..
Beijos

Cheguei aqui pela "Camas e Algemas"

RedLightSpecial disse...

Huhum... estou como a marrie.. alguns...
ihihih
Com e sem trovoada,com e sem chuva, mas sempre muito molhados!
:P
beijooooooooo***

Anónimo disse...

HMM ui ui foi espetacular... ai ai (xuxpiros) ate fikei cm calor...

K@rin@