09 dezembro, 2007

Quarto de hotel (parte II)

Escolhemos um lugar não muito longe e mesmo antes da uma da manhã estávamos na recepção, foi-nos dada uma chave e apressadamente metemo-nos no elevador, piso a piso fomos subindo com o coração palpitante do desejo e da atracção que os nossos corpos continuavam, cada vez mais forte, a sentir um pelo outro. Mesmo no fundo do corredor, o quarto 357 esperava-nos, abri-o e entrei na ânsia de o explorar, todos os seus recantos e encantos e poder começar a pensar rapidamente nas diferentes maneiras que poderia fazer o que tanto ansiava.
Beijámo-nos, projectei-a contra uma parede, toquei, apalpei, mexi e remexi procurando uma entranha da sua roupa volumosa por onde a minha mão pudesse entrar e assentar em algo quente, húmido e ardente de desejo. Ela procurava o mesmo em mim, era muito boa aquela sensação de provocarmo-nos mutuamente e que depressa deu ainda mais em tesão e loucura, puxou-me ate ao sofá e deslumbrou-me com um strip, trazia por baixo uma linda langerie vermelha, fio dental, muito provocante, era demais!
Não quis esperar mais, levantei-me em direcção a casa de banho, ela segui-me e pude então mostrar-lhe o que tinha em mente para aquela noite. Três velas acesas de cada lado da banheira, um maravilhoso jacuzzi so para nós, o cenário era perfeito. Entrei, sentei-me e serena mente comecei a tocar no rijo pau que já pronto, a chamava para a sua companhia, ela atendeu ao pedido e já sem a langerie que me deixará louco, sentou-se em cima de mim, senti-o entrar todo e apressadamente.
Sentei-me na banheira, provoquei-a mais uma vez e mais uma vez ela atendeu ao meu pedido atrevido a respondeu-me a uma só voz, ou melhor a uma só boca, enroscou com a sua língua e com fome de quem procura mais chupou-o até á exaustão, explosiva ela como eu naquele momento a podia descrever. Trocamos, procurei-lhe o meio das pernas, depois o interior explorei com a ponta da minha língua e tacteando descobrir o botão que a fazia gemer por mais, o código XXX da mulher tinha sido activado e adivinhava-se o que poderia vir a seguir.
Depois? bem, depois foi um acto quase como a vandalizar o sexo um do outro, parecia que aquelas bolhinhas a deixavam ainda mais tesuda, a mim também confesso mas a maneira como ela me cavalgava era qualquer coisa de divinal, como era bom estar ali a saborear todo aquele bocadinho de carne que se ajustava na perfeição ao mastro que se erguia dentro dela. Por entre oral e vaginal, o sexo, o amor e a simples união dos nossos corpos é e será sempre um desejo puro de querer mais e mais...


Johnny © 2007

5 comentários:

Anónimo disse...

hmmm...foi maravilhoso xi xenhor =D...

k@rin@

camas e algemas disse...

Hummm... muito bom, tb quero! Ninguem me faz uma surpresa! bjs

Noivo disse...

ai os quartos de hotel.....se as paredes falassem......

Ana disse...

Sexo na banheira é a união de dois prazeres que tem sempre resultados explosivos!

RedLightSpecial disse...

E MAIS E MAIS E MAIS!!!
:D
beijos húmidos para ti...